Tabelião de Barueri abre as portas para a visita de crianças do projeto social Anjos de Deus

O 1º Tabelião de Notas e Protestos de Barueri abriu as portas na última terça-feira (19.02) para cerca de 30 crianças da região de Osasco. A visita teve como objetivo explicar o funcionamento do Tabelionato e sua importância no dia a dia para a sociedade, além de apresentar histórias de sucesso da equipe como uma maneira de estimular os pequenos a buscarem um futuro melhor.

O projeto intitulado “Anjos de Deus” começou há 15 anos atendendo 40 crianças em situação de risco e hoje já atende mais de 130.  Elineide Gomes Diniz, uma das integrantes da Pastoral da Caridade da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes de Alphaville, visa conectar empresários e patrocinadores à causa e acredita que ações como esta impactam muito a vida das crianças participantes, muitas delas moradoras da Favela do Flamenguinho, região carente de Osasco.  “Queremos que eles tenham oportunidade de ter uma vida melhor, fora desse mundo, já que a vida deles é muito exposta”, conta.

Durante a manhã, o Tabelião Ubiratan Guimarães, também presidente da Academia Notarial Brasileira (ANB), conduziu a conversa em tom informal e descontraído. Guimarães falou sobre a evolução de sua carreira de mais de 40 anos, relembrando sua origem humilde e seus primeiros passos no mundo notarial ainda como office boy. “Queremos mostrar para eles que é possível ter sucesso na vida independente das circunstâncias, que é importante manter a fé em Deus, ter sonhos, projetos e amor pela família”, resumiu o notário.

Com o intuito de aproximar a realidade das crianças aos desafios vividos por profissionais do cartório, Wellington Villa Nova dos Santos, de 26 anos, foi convidado a falar. Com uma infância simples, Wellington conta que queria ser jogador de futebol, mas foi no Direito que se encontrou. Aos 16 anos, o jovem foi contratado pelo Tabelionato. Aos 18, estimulado pelo Tabelião Ubiratan Guimarães, ingressou na faculdade de Direito, e hoje, há mais de 10 anos no cartório, exerce a função de escrevente, de bastante responsabilidade no Tabelionato. Para ele, o esforço valeu a pena e, por isso, aconselhou seus atentos ouvintes a se dedicar e não desistir.  “O melhor caminho é o estudo, independente da profissão que escolherem e dar o seu melhor no trabalho”, finalizou.

Na plateia, Lucas Ramos Mendes, 14 anos, estava entusiasmado com as histórias tão próximas à sua. Seu desejo para a vida adulta? Ser empresário, advogado, jogador de futebol ou diretor de cinema. “É legal conhecer histórias que não são tão diferentes das nossas. Essas pessoas passaram pelas mesmas coisas que a gente passa todo dia. Isso nos motiva a continuar e a superar essa situação”.

Cláudia Marques dos Santos, à frente do projeto desde o seu surgimento, ficou feliz em proporcionar este tipo de oportunidade às crianças. “É preciso dar força para eles, que não têm nada e vivem isolados em suas comunidades”.  Ela garante que mesmo com as dificuldades que passa, o trabalho é gratificante e se sente emocionada em ver os pequenos tomando outros rumos na vida.  “Eles moram em Osasco e muitos não conhecem o centro da cidade. Eles nunca viram esse mundo e o mundo é muito grande”.

Os integrantes do grupo tiveram a chance de visitar as principais áreas do Tabelionato, ocuparam a sala do Tabelião com muita alegria, confraternizaram e receberam presentes ao final do encontro.