Cobrança de dívida via cartório de protesto é antídoto contra fraude

Credores recebem em 5 dias úteis, em média, as dívidas e taxa de sucesso de recuperação passa de 68% em São Paulo.

Os cartórios de protesto oferecem segurança jurídica para os credores, que têm em caixa mais de 60 milhões de boletos em aberto em todo o Brasil. A taxa de recuperação das dívidas pelos cartórios de protesto passa de 68% em São Paulo e em média, a recuperação é em 5 dias úteis.

Como uma medida extrajudicial de recuperação de dívidas, o credor utiliza o Protesto para impedir sua prescrição e acelerar o recebimento dos valores que lhe são devidos, resolvendo a situação da dívida sem a necessidade de recorrer ao Judiciário.

Diferentemente de empresas de cobranças ou birôs de crédito, a atividade dos cartórios é fiscalizada pelo Conselho Nacional de Justiça e Poder Judiciário. Desta forma, se o tabelião de protesto ou cartório de protesto realizar algum ato irregular ou ilegal ele poderá até ser destituído do cargo.

Protestar um título é um serviço gratuito. O credor só arca com as custas, despesas e emolumentos se desistir do protesto ou na sucumbência em ação judicial. Fora isso, os valores serão pagos pelo devedor quando ele efetuar o pagamento do título.

Para empresas de pequeno e médio portes, o protesto de um título vale como prova da inadimplência do devedor e dá ao credor a segurança jurídica da contagem de dias para aplicação da mora.

O tabelião de protesto, que tem fé pública após passar em concurso público, faz uma checagem rigorosa e confere a autenticidade dos documentos apresentados, observando clareza, ausência de rasuras, preenchimento correto dos documentos, datas de emissão e vencimento, assinaturas. Além disso, o credor tem a segurança jurídica da contagem de dias para aplicação de juros e como prova da inadimplência do devedor.

O cartório de protesto tem que informar ao devedor pessoalmente, por meio de carta com Aviso de Recebimento, sobre a existência de uma dívida. Se o devedor for desconhecido no endereço e ninguém se dispuser a receber a intimação ou a sua localização for incerta ou ignorada, seus dados, o do título e os do credor são publicados em edital, que tem legalmente o mesmo efeito da intimação feita diretamente à pessoa. Os editais são publicados em jornal de grande circulação diária.

Fonte/Autor por: LS COMUNICAÇÃO / Site: Segs.