CNB-SP e Arpen realizam curso conjunto de Grafotécnica na Capital.

Curso foi o segundo evento da parceria entre Colégio Notarial-SP e Arpen-SP e preparou funcionários dos cartórios para se tornarem agentes de registro

Clique aqui e veja o álbum de fotos.

Foi realizado na cidade de São Paulo, na última sexta-feira (17.07) mais um curso da parceria entre Colégio Notarial do Brasil – Seção São Paulo (CNB-SP) e a Associação dos Registradores das Pessoas Naturais – São Paulo (Arpen-SP). O curso de Grafotécnica e Documentoscopia, levou mais de 80 pessoas ao auditório do Novotel Jaraguá e foi ministrado por Luiz Gabriel Passos, professor de Documentoscopia na Escola de Polícia Civil do Paraná nos cursos de formação de perito criminal e de Grafotecnia pelo Instituto de Estudos dos Escrivães, Notários e Registradores do Paraná (Inoreg).

Luiz Gabriel iniciou sua apresentação dizendo que compreende a dificuldade dos serventuários em reconhecer falhas nos documentos, devido à rapidez com que devem atender os clientes, e também pelo fato de os documentos de identidade não terem todos os padrões nacionais, apenas a Carteira Nacional de Habilitação.

Perito Luiz Gabriel Passos, professor de Documentoscopia na Escola de Polícia Civil do Paraná

“Temos essa possibilidade de fraude muito grande, mas já está sendo desenvolvido um projeto para a carteira de identidade nacional”, comentou Passos. Sobre a necessidade do curso, Éderson Marques Cardoso, escrevente do 13º Oficial de Registro Civil do Butantã, comenta que “sentimos a necessidade de realizar o curso de grafotécnica mais atualizado quando fizemos na Arpen-SP o curso de Agente de Registro, é uma exigência do próprio cartório, pois toda informação te dá mais base. Um curso complementa o outro”, disse.

Boa parte dos presentes se diz mais seguros ao participar do curso. “Os falsários sempre dão um jeito de dar um passo à nossa frente e por isso é preciso se atualizar em relação à identificação desses documentos mais novos. É importante, pois vamos diretamente aos pontos específicos para avaliação e assim dar continuidade ou não ao serviço”, revela Maynara Silva do Carmo, escrevente de registro civil do Oficial de Registro Civil e Tabelionato de Notas e Protestos de Quiririm. “Recebemos várias dicas para perceber a falsificação na hora. A parte prática ficou bem mais fácil, podemos perceber logo as características e ter mais segurança”, afirma a escrevente de notas da mesma serventia, Daniela Bassanelo.

Auditório do Novitel Jaraguá na Capital recebeu mais de 80 participantes, entre registradores e notários

O palestrante enfatizou que os serventuários são responsáveis pelas falsificações grosseiras e que a mais comum é a falsidade ideológica – carteira de identidade. “Este curso é voltado à verificação rápida de documentos e de assinaturas, claro que diante de um universo tão confuso da identificação civil brasileira, não existe hoje parâmetros seguros que possam cercar todas as fraudes. O que fazemos é orientar os profissionais dando alguns conhecimentos que evitem as falsificações grosseiras, as de boa qualidade dificilmente são identificadas no balcão, mas as grosseiras é função do reconhecedor evitá-las”, disse Passos.

Documentoscopia

O perito deu início aos ensinamentos pela área de documentoscopia, apresentando as diversas informações sobre a estrutura dos documentos e formas de falsificação, com isso mostrava a todos como identificar algo aparentemente escondido. Luiz lembrou que “em muitos estados não há sequer um provimento que os autorize a recusar um documento replastificado, por exemplo”. A luz negra, lupa e lanterna foram classificadas pelo palestrante como as ferramentas essenciais para identificação e de fácil utilização. “Mas o autorrelevo é uma das formas mais eficazes”, salientou.

Participantes aprenderam a identificar marcas d água e relevos nos documentos de identidade

Após abordar a estrutura, Passos apresentou as formas de preenchimento, isto quando o documento é original. Pediu a todos que analisassem sempre as fotos e a impressão digital. “Geralmente não é o usuário que falsificou o documento, são falsificação que foram realizadas por terceiros e por esse motivo raramente haverá uma falsificação de boa qualidade”, destacou.

Após o almoço foi analisada a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e seus dispositivos de segurança, tanto a nova quanto a antiga, ainda em uso. Passos lembrou que muitos preferem falsear a CNH por ela já conter três identificações em um só documento, ensinando como os falsários podem imitar o autorrelevo do papel. A pedido dos participantes, o perito falou sobre a análise dos fabricantes do papel que compõe o documento e que muitas vezes, papéis distintos em cada lado não é sinônimo de fraude.

Grafotécnica

Em seguida Luiz Gabriel deu inicio à parte do curso sobre Grafotécnica, descrevendo os modos de análise; forma, dinâmica, qualidades gerais e movimento. “Nunca tinha feito este curso. Na faculdade de Direito vi alguns temas em relação a isso, mas aqui é possível ver o assunto de forma mais detalhada. Agora, com o advento do Certificado Digital, precisamos deste treinamento”, assume Claudia Imperador Fabiano, escrevente do 4º Tabelionato de Notas e protestos de São Caetano do Sul.

Diversas formas de se analisar as assinaturas foram passadas aos cartorários de forma clara e prática

Foram apresentados casos de fraude em assinaturas e como identificá-los. Os presentes também foram alertados pelo palestrante que “em suas atividades não se pode misturar amizade com as atividades profissionais, sempre é necessário analisar o cartão”. Isso, pois muitos podem não realizar este procedimento por proximidade ao cliente.

Os participantes receberam dicas de como realizar a análise sem constranger quem estiver no balcão e também como orientar o próprio cliente a abrir uma firma que não facilite a falsificação. De acordo com Luiz Gabriel “os profissionais precisam bastante deste tipo de informação. No ano passado trabalhamos com a Arpen-SP ministrando 20 cursos entre capital e interior. Isto revela uma preocupação das associações de registro e notas para habilitar seu pessoal, oficiais iam com todos os seus funcionários”.